5 medidas que deixam qualquer funcionário mais feliz

  • otimismo; felicidade; confiança; 2 (Foto: Shutterstock)

    Ser feliz faz bem. No trabalho, diante de reuniões, estresse e metas a cumprir, mais ainda. E o gestor também é responsável pela felicidade dos funcionários. O clima no ambiente de trabalho pode influenciar no desempenho dos colaboradores e até levá-los a sair do negócio.

    Para o professor João Baptista Brandão, coordenador do master em liderança e gestão de pessoas da Fundação Getúlio Vargas (FGV) e sócio do instituto Ibrand Brasil, a busca por um ambiente de trabalho mais feliz é tendência entre os empreendedores brasileiros. “Ao contrário do que muita gente pensa, ser divertido não é o contrário de ser negligente. Ser divertido é o contrário de ser chato. É possível conciliar essa felicidade a um trabalho bem feito”, afirma ele.

    De acordo com Brandão, algumas práticas bastante usadas para integrar a equipe e melhorar o clima, como happy hours, podem não surtir o efeito desejado. Ele lista cinco dicas para empreendedores que querem acabar com a sisudez do escritório.

    1) Mostre que o emprego e a empresa valem a pena – Não basta ter um belo discurso sobre os valores e a importância da empresa. Segundo Brandão, é preciso demonstrar que as palavras fazem sentido. “O funcionário que acredita no que faz e no lugar em que trabalha tende a ser feliz e a desempenhar seu papel com vontade.”

    2) Valorize a equipe – Em uma conversa com um empreendedor que não entendia por que ninguém ficava em sua empresa por muito tempo, o professor da FGV perguntou como ele tratava seus clientes. “O empresário disse que os tratava muito bem, ajudava no que era possível e era sempre simpático. Disse a ele que era fácil manter os funcionários: bastava tratá-los como se fossem seus clientes”, conta Brandão. Os empreendedores devem se lembrar de que não não são os únicos que querem ser bem-sucedidos – este é o mesmo objetivo dos colaboradores. “Recompense os funcionários, cuide da carreira deles e eles o ajudarão a crescer.”

    3) Não ignore os problemas deles – É difícil se concentrar no trabalho quando a cabeça está em outro lugar. “Caso o funcionário esteja passando por algum problema familiar, por exemplo, vale pensar em mandar a pessoa para casa”, afirma Brandão. Outro problema que pode acabar com a produtividade de alguém é a demora para chegar no trabalho por causa do trânsito. “Em um caso como esse, se a função permitir, por que não deixar o colaborador trabalhar de casa durante o horário de pico?”, sugere o especialista.

    4) O happy hour pode não ser uma hora feliz – Relaxar depois do expediente em um happy hour é uma prática bem comum entre colegas de trabalho. Tal medida vem sendo adotada pelas empresas, em uma tentativa de aproximar a equipe do pessoal da gerência. O problema é quando esse tipo de confraternização vai se tornando uma imposição da empresa. “Vai haver alguém que prefere ir para casa descansar e é ‘obrigado’ a ir para o bar. Pior: indo à força, pode ser que a reunião sirva para que todos falem mal da empresa”, afirma o professor.

    Para Brandão, o problema não é o happy hour – qualquer confraternização que ocorra espontaneamente, sem a pressão de ninguém, serve para aumentar a integração de uma equipe. “O happy hour pode ser nocivo e se transformar em uma válvula de escape para funcionários insatisfeitos, mas é uma iniciativa válida quando se torna uma consequência natural das relações entre eles.”

    5) Comemore conquistas e aprenda com o fracasso – Se uma comemoração faz sentido, todos ficam felizes em participar. “Quando uma meta é cumprida ou alguém consegue uma conquista pessoal, aí faz sentido fazer a celebração”, diz Brandão. Mas a felicidade no escritório não aumenta só fazendo festa. Na hora do fracasso, é importante marcar uma reunião e ver o que é possível fazer para que o resultado negativo não se repita. “Quando o empreendedor mostra que está junto com seus comandados no sucesso e no fracasso, maiores são as chances de que o clima da empresa se mantenha bom”, afirma o professor da FGV.

    (revistapegn.globo.com/Dia-a-dia/noticia/2013/08/5-medidas-que-deixam-qualquer-funcionario-mais-feliz.html)

Ações simples para atrair profissionais competentes

Conheça um conjunto de habilidades, conhecimentos, posturas e atitudes que contribuem para uma atuação de destaque.

Sylvia Simocelli – Estação Sebrae On-line, Ed. 86o

Nos dias de hoje, diante de tanta tecnologia, a competitividade das empresas passou a ser fruto da competência de seus profissionais. Porém, muitos desconhecem que essa característica está diretamente ligada à qualidade. Com ela, é possível atrair e reter profissionais competentes. Esse processo tem exigido modificações frequentes nas corporações, que vão desde melhores especificações dos cargos até a preocupação em manter o clima organizacional positivo.

Dessa forma, os líderes conseguem equilibrar o conhecimento e comportamento. Se a sua empresa deseja ter um excelente desempenho dos seus profissionais, ela terá que trabalhar em dois eixos. De um lado buscar os conhecimentos de que necessita; do outro alinhar e desenvolver os comportamentos necessários.

O fato é que atrair talentos, além de estratégico para os negócios, pode significar a diferença no êxito em um empreendimento. Mas para isso acontecer, em um contexto onde uma empresa conquista a atenção e o interesse dos melhores profissionais do mercado, deixe de lado o convencional e não tenha medo de inovar.

Segundo Rodrigo Perez, sócio de uma empresa em Soluções na Internet, o critério determinante para estender uma entrevista é quando existe empatia entre o perfil do profissional e o perfil da empresa. “Acreditamos que essa combinação seja obrigatória para o sucesso. Após essa química, levamos em consideração o objetivo desse profissional com a empresa em longo prazo”, afirma.

O administrador ainda revela que o último critério avaliado vem a ser a experiência e conhecimento. “É muito bom contratar profissional que tenha boa “bagagem”, mas se não tiver objetivos em comum e o perfil da empresa, de nada adianta essa experiência”, conclui.

Relacionamos abaixo dicas simples e eficazes para conquistar profissionais competentes divulgadas por Gustavo Chierighini, fundador da Plataforma Brasil Editorial. Confira:

1. As pessoas querem ser respeitadas. Elas podem ser convocadas a encarar intensas jornadas de trabalho e assumir pesadas responsabilidades, mas o tratamento pessoal com elas merece e deve ser feito com cuidado. Chefes arrogantes espantam gente competente;

2. Fique atento ao comportamento dos líderes que você mesmo contratou, tirando as suas próprias conclusões sobre como conduzem suas equipes. Seja implacável com os corporativos, egocêntricos e arrogantes. Mas por favor, não se contente com os manuais da boa gestão, em lugar disso atue com firmeza.

3. Não incomode seus colaboradores com mudanças permanentes, desnecessárias e contraproducentes, só porque outra novidade surgiu no último evento corporativo. Mudanças causam stress, esgotamento e descontinuidade em fluxos e processos que poderiam estar avançando, portanto só as implemente quando são realmente essenciais.

4. Cumpra com suas promessas relacionadas ao desenvolvimento profissional. Neste contexto trabalhe sempre com a verdade. Não invente e alimente ilusões.

5. Implemente de uma vez por todas o conceito de meritocracia, e em seguida seja radical na sua sustentação.

6. Poupe a você mesmo e principalmente a sua equipe de trabalhar com incompetentes e preguiçosos.

7. Não puna os erros daqueles que erraram tentando acertar ou construir algo que poderia ter dado certo. Uma atmosfera de temor só serve para atrofiar a capacidade empreendedora do grupo.

8. Evite julgamentos comportamentais, sem fatos comprováveis ou evidências objetivas e específicas. Diante deste tipo de cenário, as pessoas costumam se preocupar mais em encarnar personagens do que em realizar.

9. Por último remunere da melhor forma possível, dividindo os bons resultados, por mérito, naturalmente.

Fonte: Site Saia do Lugar – texto adaptado