O que funciona melhor: um Site ou uma fanpage?

O que funciona melhor: um Site ou uma fanpage?

Essa é uma das dúvidas dos pequenos  empreendedores, com orçamento baixo. Sabem ou até suspeitam que a Web é o local ideal para divulgar o empreendimento, de uma forma bem em conta. Mas onde mesmo devem aplicar seus parcos recursos em se tratando de Marketing Digital?

Realizando uma busca na web, encontramos vários textos complicadíssimos, que tentam explicar a diferença entre um e outro. Para tentar dar uma resposta satisfatória ao questionamento, montei esse texto com um pouco mais de clareza. Quer entender um pouco mais sobre os dois mundos? Continue lendo.

Site corporativo

Um site, quando bem feito e estruturado, passa uma imagem séria e profissional, refletindo confiabilidade, que também servirá para atrair e fidelizar os clientes.

O site apresenta características bem vantajosas para as empresas. Para começar, é totalmente customizável e pode ser modificado, sempre que necessário, para ficar mais adequado ao perfil e objetivos de cada momento da corporação.

Além disso, um site permite que sejam agregadas outras ferramentas, como blogs para assuntos específicos e formulários para captação de futuros clientes, por exemplo, o que amplia a experiência do visitante, trazendo novas informações e agregando ainda mais valor à marca. Podendo oferecer, dependendo do negócio, a venda on-line com segurança nos meios de pagamento e um designe prático e bonito, como se fosse uma vitrine, ampliando a experiência do comprador. Tudo isso, consequentemente, gera grande tráfego de clientes em potencial.

O espaço do site pode ser utilizado como a empresa desejar, por isso é um suporte muito mais favorável à apresentação da missão, valores e visão de negócio, aproximando o público de tudo o que o empreendedor pretende oferecer e conquistar.

Página em rede social

A fanpage também é bastante relevante porque é uma ótima ferramenta para criação de vínculo com uma audiência, fazendo com que a mesma se engaje na divulgação da marca, em uma espécie de marketing informal, conhecida como a famosa “propaganda boca a boca”.

Palavra-chave da fanpage: objetividade, isto é, mensagens mais curtas e mais rápidas, para que o empreendedor consiga mandar o seu recado, dizendo o  máximo com o mínimo de palavras. Não se esquecendo que a preferência aqui é para as imagens.

Apresenta-se sempre uma chamada com um link, que conduzirá ao conteúdo completo que, óbvio, estará no site da empresa. O público decide, então, se vale a pena ler mais sobre tal assunto. Geralmente o mais interessado acaba acessando o site para mais detalhes.

Como a rede social é, essencialmente, um espaço virtual dedicado ao entretenimento, lazer, e voltado para a vida pessoal, as empresas devem se preocupar em apresentar uma conduta cautelosa, de modo a não parecer invadir o espaço íntimo das pessoas, causando um efeito nocivo à imagem pública do negócio.

Entre as sugestões mais importantes para uma abordagem inteligente em redes sociais está a objetividade, com informação e humor na dose certa, para também não queimar o filme da empresa (o temido efeito nocivo).

Qual o mais indicado para o seu negócio?
É importante deixar claro que o empreendedor precisa pensar, primeiramente, em fortalecer a base de seu negócio. Isso é garantido através de um bom site corporativo, passando aquela imagem profissional. Pois não há nada mais chato que pesquisar um produto ou serviço nos buscadores e não encontrar o site, mas apenas a fanpage cheia de imagens e frases engraçadas, mas sem o detalhe principal: o produto/serviço/informação.

Depois de montar uma plataforma completa, deve se preocupar em investir em redes sociais.

Lembrando que, nos últimos tempos, a rede social mais famosa, o Facebook, perdeu força porque passou a limitar o alcance das postagens em fanpages – isso ocorreu devido ao surgimento das ações patrocinadas dentro dessa rede social, ou seja, para que uma postagem atinja mais pessoas, é necessário pagar uma quantia relacionada ao tipo de alcance que se deseja obter. Tal limitação tirou um pouco do poder de fogo do Facebook para o empreendedor de pequeno e médio porte, principalmente. Mas a questão da divulgação, bem planejada tanto para o site quanto para a fanpage, dá um texto a parte.

Outro dado relativo ao Facebook, é que o público jovem vem saindo dessa rede social e buscando alternativas – como o apps de mensagens instantâneas Whatsapp, Badoo, Tinder e outros, todos em mobiles – assim, se o foco do negócio é a juventude, o Facebook se torna menos atraente.

O ideal é unir os dois mundos

Em minha experiência profissional, tenho visto muitos micro e pequenos empreendedores colocando o endereço da fanpage nos cartões de visitas e até nas placas em frente ao estabelecimento, esquecendo totalmente e-mail e site. Como se fossem algo de um passado muito distante.

Lembrando que não pretendi, durante os parágrafos anteriores, dizer que a fanpage é uma má escolha, muito pelo contrário. As redes sociais são uma excelente  forma de divulgar o seu trabalho, desde que você consiga ganhar muitos seguidores, gastando uma quantia razoável em links patrocinados para uma divulgação massiva ou aprendendo técnicas de divulgação colaborativa. No entanto a fanpage, em qualquer rede social, deve ser vista como uma opção complementar ao seu site e nunca como a sua forma de divulgação principal. A fanpage deve ser vista com seriedade, mas jamais deve ser considerada mais importante do que um site. O site é a sua forma de comunicação principal, enquanto que a fanpage é apenas um meio para chegar a essa comunicação final. Por isso, use o bom senso e aposte em uma receita que aproveita o melhor dos dois mundos.

Fonte: http://www.tiespecialistas.com.br/2015/03/para-micro-empresa-o-que-funciona-melhor-um-site-ou-uma-fanpage-saiba-como-escolher/

12 motivos para ter um site!

Entre outros que poderiam ser listados, os motivos a seguir nada mais são que os próprios benefícios que você já deveria estar colhendo por ter um site:

1 – Além de trazer novos negócios, um site pode ter funcionalidades que facilitam o seu trabalho;

2 – Como os negócios na Internet movimentam cada vez mais dinheiro, você pode estar deixando de ganhar mais por não ter presença digital;

3 – Seus clientes terão a oportunidade de divulgar seus produtos e serviços sem custo para você, atingindo milhares de pessoas com a facilidade de um clique. É o boca-a-boca digital, muito mais rápido e para muito mais gente;

4 – Como negociamos com quem conhecemos, seus possíveis clientes, por terem a oportunidade de conhecer melhor a sua empresa, tenderão a negociar com você e não com as empresas que não conhecem;

5 – Um site com bom design dá credibilidade ao seu negócio. Os consumidores esperam que as empresas tenham site. E quem ainda não conhece sua empresa vai poder encontrá-la na Internet;

6 – Mesmo que seu negócio já tenha presença digital em redes sociais, convém lembrar que ainda é no Google que a maior parte das pesquisas é feita. Além disso, o sucesso de uma rede social pode passar, mas você sempre pode usar a de maior sucesso no momento para promover o seu site;

7 – Um site permite que seu público-alvo informe-se sobre o seu negócio a qualquer dia e horário;

8 – O investimento em um site é menor do que diversas outras formas de divulgação, e permite mensurar os resultados de forma praticamente imediata, pela própria Internet;

9 – Mesmo para produtos ou serviços que não podem ser vendidos pela Internet, o fato de ter um site lhe permitirá gerar mais negócios;

10 – Você pode analisar dados de acesso ao seu site e dados de cadastro para conhecer melhor o perfil de seus clientes. E com os dados, anunciar novidades para quem já demonstrou interesse pelo seu negócio;

11 – Os internautas consideram que os sites que aparecem nas primeiras posições de buscadores como o Google são das melhores empresas;

12 – Se o seu concorrente já tem site, você está ficando para trás… Se ele ainda não tem, você pode sair na frente.

E se você já tem um site, mas ele não está trazendo estes benefícios para você, escolha um bom fornecedor web para reformulá-lo e bons negócios!

(www.administradores.com.br/artigos/negocios/12-motivos-para-ter-um-site/73778/)

Site ou página do Facebook: qual a melhor opção para usar no seu negócio?

Durante a passada semana tive a excelente oportunidade de falar um pouco com os nossos parceiros do FalaFreela. Foi um debate muito interessante, no qual falamos sobre vários temas relacionados com o mundo do freelacing. Durante essa mesma conversa, surgiu um tema que talvez interesse a muitos dos profissionais que acompanham a Escola Freelancer. Estou falando da indecisão entre ter um website ou uma página de fãs no Facebook para divulgar o próprio negócio. Pelo que parece, muitos empresários estão desistindo do seu website ou fazendo redirecionamento para as suas Fan Pages, apostando claramente no Facebook como meio de comunicação para os seus clientes. E é sobre esta opção que vamos falar no post de hoje.

Em primeiro lugar, é certo que o Facebook cresceu muito nos últimos anos/meses e a sua utilização aproximou empresas e clientes, tornando mais fácil a comunicação entre ambas as partes. Além disso, é uma ferramenta gratuita (pelo menos à primeira vista) e tem uma capacidade enorme de conseguir gerar novos interessados no seu trabalho. Tudo isto parece tornar as Fan Pages numa “máquina” de vendas e numa oportunidade única para divulgar o seu negócio. Mas será isso suficiente para abandonar a utilização de um website? Para esta pergunta a resposta é claramente um “não”. No máximo, poderão utilizar as duas de forma complementar e o Facebook continuará sendo uma excelente forma de direcionar tráfego para o seu site. Mas se você ainda tem dúvidas sobre as diferenças e acima de tudo das potencialidades destas duas formas de comunicação, preste atenção às próximas linhas.

O FACEBOOK NÃO É SEU!

Ainda há poucos meses, o Facebook terminou com muitas páginas de fãs de um dia para o outro, sem dar qualquer aviso prévio. Segundo eles, essa eliminação em massa aconteceu porque algumas Fan Pages teriam violado as regras de utilização e por isso teriam de ser eliminadas. Foram páginas com milhões e milhões de fãs, que certamente gerariam um bom retorno aos seus administradores. Além disso foram várias horas de trabalho investidas naquelas páginas. Mas este acontecimento deixou uma lição a todos nós que jamais devemos esquecer: As Fan Pages não são nossas! Elas pertencem ao Facebook e pouco poderá fazer para alterar essa situação. Por isso, o seu website deve ser o centro de todas as suas atividades. Você é dono e senhor da sua página na internet e jamais alguém poderá tirar isso de você. Já com as Fan Pages isso não acontece…

Outro dos pontos que justifica a manutenção do site e do Facebook ao mesmo tempo é a diminuição constante do alcance das publicações no Facebook. Como já referimos neste artigo, as publicações são vistas por cada vez menos fãs e é necessário que você crie estratégias e trabalhe de uma forma organizada para conseguir gerar bons resultados. Mas com este menor alcance, fruto das políticas de rentabilização do próprio Facebook desde que este foi cotado em bolsa, não acredito que as páginas voltem a ter o impacto que tinham antes. Daí o meu conselho: não foque o seu negócio apenas numa plataforma na qual você tem pouco controle. 

COMUNICAR UM NEGÓCIO PELO FACEBOOK É EFICAZ?

Comunicar um negócio ou um produto, quer seja através de um website ou do Facebook não é uma tarefa fácil. Aliás, qualquer comunicação web é sempre dificultada pelo fato do usuário ter de seguir vários passos até chegar à compra final. Porém, essa comunicação no Facebook é feita de uma forma simples, o que torna esta rede social um bom local para anunciar produtos. Mas será um bom local para uma compra final? Ou o Facebook servirá apenas como intermediário para essa compra final?

Em termos práticos, o Facebook não é um bom local para uma compra final. Caso contrário, as tão conhecidas Fcommerces teriam um sucesso enorme, algo que não aconteceu como demonstra esta notícia, que fala sobre o fecho de vários aplicativos do gênero. Por outro lado, também é certo que o próprio Facebook é um bom local para fazer buzz sobre um produto ou um serviço. Estatisticamente, um produto que é recomendado por um amigo tem maiores chances de ser adquirido. Essa função, sim, acredito que o Facebook possa ocupar com distinção. Tudo o que seja mais do que isso, deverá ser feito no seu site. Resumindo: o Facebook é um bom local para encaminhar as pessoas para o site onde, aí sim, devem efetuar a compra.

FACEBOOK VS GOOGLE

No mundo das vendas existe um fator determinante que é o funil de vendas. De uma forma muito resumida, são os passos que você segue até chegar à compra final. Vejamos um exemplo:

  • 1º passo: O cliente está procurando pelo produto A
  • 2º passo: O cliente procura pelo produto A no Google
  • 3º passo: O cliente vê o primeiro lugar no Google pelo produto A e clica no link
  • 4º passo: O cliente lê a informação e adquire o produto

Este é o passo normal de compra caso o cliente utilize o Google para pesquisar. Porém, no Facebook esse funil é um tanto ao quanto diferente. Além de, por norma, o comprador não procurar por um produto pelo Facebook, ele verá a informação por impulso, não tendo por vezes o mínimo interesse na compra desse produto. Mas vejamos os passos habituais:

  • 1º passo: O cliente está navegando pelo Facebook, compartilhando fotos e comentando
  • 2ºpasso: De um momento para o outro vê o produto
  • 3º passo: Clica no link
  • 4º passo: Vê a informação e pensa em adquirir o produto

Na teoria, podemos considerar que em ambas as situações existem quatro passos a serem seguidos, mas na prática existe um pormenor muito diferente. É que no primeiro exemplo o cliente está efetivamente procurando o produto enquanto que no segundo exemplo ele apenas viu a informação do produto porque alguém (amigo ou página) indicou. Claro que aqui existem muitas variáveis tais como a confiança que a pessoa tem com aquele amigo, a sua necessidade de adquirir o produto ou não ou mesmo a construção do próprio website. Porém, a intenção do cliente no Google é a de compra final enquanto que no Facebook ele apenas interagiu com o produto por acaso. Daí que o preço pago por clique no Adwords seja bem superior ao que é pago na publicação de Facebook Ads.

O FACEBOOK NÃO É TÃO GRÁTIS ASSIM

Acredito que muitos dos empresários optem por ter uma página no Facebook porque ela é gratuita, enquanto que no site terão de pagar pela construção do mesmo. Além disso, é muito mais fácil partilhar uma imagem e esperar que ela chegue a outras pessoas do que escrever um texto e esperar que ele fique bem posicionado no Google. Mas esta é uma ideia certa e errada ao mesmo tempo.

O primeiro ponto que contraria este princípio é aquele que falamos em parágrafos anteriores: o Facebook está diminuindo o alcance das suas publicações, o que obrigado os donos das Fan Pages a investirem para terem as suas publicações vistas por mais pessoas. E olhe que o preço não está tão barato assim, tendo páginas que necessitam de investir um bom orçamente para conseguirem um alcance considerável (se quiser saber mais sobre isso veja o nosso artigo sobre como fazer promoções e descontos no Facebook). Além disso, é necessário que você consiga ganhar uma boa base de fãs, o que ao início também implica…investimento! Por isso, quebra de uma vez por todas esse tabu de que o Facebook é gratuito e veja ele como uma forma de divulgação paga.

A MELHOR SOLUÇÃO? USAR AMBOS!

Atenção que não pretendi, durante os parágrafos anteriores, dizer que o Facebook é uma má escolha, bem pelo contrário contrário. O Facebook é uma excelente forma de divulgar o seu trabalho, desde que você consiga ganhar muitos fãs. No entanto, ele deve ser visto como uma opção complementar ao seu website e nunca como a sua forma de divulgação principal. O Facebook deve ser visto com a mesma seriedade que o Twitter ou o LinkedIn, mas jamais deve ser considerado mais importante do que um website. O site é a sua forma de comunicação principal, enquanto que o Facebook é apenas um meio para chegar a essa comunicação final. Por isso, jamais caia no erro de deixar de lado o seu site para apostar apenas no Facebook.

E você, já tinha pensado nesta questão? Qual a sua opinião sobre o tema?

Abraço

(Fonte: Escola Freelancer)